Trabalho Noturno: direitos, saúde e riscos ao trocar o dia pela noite

O trabalho noturno, para muitos, é uma maneira de complementar a renda familiar, visto que se tem um aumento de 20% no valor total a receber no fim do mês. Mas para outros, não é uma questão de escolha. Com o crescimento dos serviços 24 horas, principalmente nos grandes centros urbanos, o número de pessoas trabalhando neste período cresceu consideravelmente. Sem contar os trabalhadores que não tem opção de escolha de horário como plantonistas, enfermeiros, guardas noturnos, lixeiros, frentistas e muitos outros.

Riscos para a saúde

Mas além dos benefícios financeiros, deve-se estar disposto a trocar o dia pela noite e suas possíveis consequências. Especialistas dizem que esta troca do dia pela noite pode acarretar vários problemas de saúde, além de requerer uma adaptação que pode ser demorada.

Estudos já vem sendo feito sobre essas questões, segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde) as enfermeiras e aeromoças que trabalham a noite, tem maiores chances de desenvolver câncer de mama, problemas cardíacos e queda de imunidade. Outro estudo, efetuado pela o ISMA (International Management Stress Association), chegou a conclusão de que 44% dos trabalhadores noturnos no país, desenvolvem algum distúrbio na visão.

Mas nada se compara ao estudo feito pelos espanhóis da Unidade do Sonho de Barcelona e também do Serviço de Neurofisiologia do Hospital da Paz de Madri. Segundo eles o trabalhador noturno, perde cinco anos de vida para cada quinze trabalhados e apresentam 40% a mais de chances de desenvolver problemas psicológicos, digestivos e de coração.

O trabalho noturno trás inegáveis prejuízos, tanto no aspecto físico, quanto no emocional, social e familiar. Alguns distúrbios físicos que podem vir a ocorrer com maior probabilidade nesses profissionais, além dos já citados, são o estresse, a intensa fadiga, que pode gerar acidentes, desequilíbrios emocionais, os problemas gastrointestinais como gastrite, dispepsias (dificuldade de digestão), azia, constipação intestinal e outros.

Dicas para melhorar seu desempenho

Mas há boas dicas para ajudar quem precisa trabalhar a noite. A primeira dica é o sono. Mesmo que você durma de dia, para que não sinta sono durante a noite é importante que descanse bem, você precisa de no mínimo 8 horas diárias de bom sono. Tente acostumar seu corpo a um horário fixo, e evite alimentos e bebidas que prejudiquem esse sono, como por exemplo, a cafeína.

Como citado anteriormente, a alimentação também pode ajudar. Evitar alimentos demasiadamente gordurosos, ingerir quantidade adequada de carboidratos combinados com exercícios físicos podem melhorar sua energia, porém para que isso tenha o efeito desejado deve-se procurar um profissional, como um nutricionista. Beber bastante água também é essencial.

Visita médica

Por último, deve-se visitar um médico com freqüência, fazer um “check up” a fim de ter sempre em dia sua saúde. Ao sinal de qualquer problema, vale mais voltar a trabalhar durante o dia. Alguns especialistas acreditam que o desgaste que este período causa nos trabalhadores, não compensa o valor que é pago, cabe a você fazer esse balanço e ver o que melhor se encaixa na sua rotina. Muitos trabalhadores até gostam da rotina noturna, mas mesmo com o gosto pela noite, é bom manter-se atento a sua saúde. Fique alerta!

Gostou? Então compartilhe: